Páginas

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Episódios da vida a dois #2

Na senda para a compra de um colchão novo e aproveitando a promoção que está no Ikea, lá fomos à loja na expectativa de percebemos qual seria o que se adequava mais a nós. Depois de 500 perguntas e mil explicações lá decidimos que tipo de colchão iríamos comprar. 
Vai daí que o senhor da loja pergunta: então e qual a medida? 
Eu respondo imediatamente um metro e quarenta, ao que o meu esposo responde: Ah e tal talvez não.
Oi? Talvez não? Como talvez não?
Ora, a cama que temos atualmente tem uma barra de madeira a toda a volta de cerca de doze centímetros e qual era a ideia brilhante do homem? Comprar um colchão de um metro e sessenta e colocar um estrado extra na cama para fazer a diferença dos vinte centímetros entre o colchão atual e o novo. Mais meia hora na loja a ver estrados e o senhor do ikea, amoroso, a tentar aconselhar da melhor forma. Resultado: saímos do ikea sem colchão e andamos há 5 dias a discutir o tamanho do colchão que vamos comprar.
O primeiro passo foi dissuadir o homem da invenção de comprar o tal colchão maior e remendar o estrado atual, porque é claro que esta brincadeira ia sair-nos cara a nível de conforto e segurança, mas ainda demorei uns três dias a conseguir fazer ver ao homens que colocar um colchão com uma dimensão superior ao que a cama está preparada ia dar merda.
E agora nos últimos dias a discussão é: Compra-se cama nova, não se compra cama nova? E se comprar cama nova qual a dimensão? Ele quer um metro e oitenta, eu quero uma cama no máximo de um e sessenta. 
E andamos nisto. Eu a tentar explicar-lhe que uma cama de um e oitenta num quarto do tamanho do nosso não faz qualquer sentido, ele a dizer que ao comprar uma cama nova, só se tiver um metro e oitenta, eu a medir o espaço  e a tentar mostar a diferença que faz uma cama com mais vinte centímetros. Enfim, uma paródia. 
Finalmente consegui convencê-lo a manter a cama atual e comprar p colchão com a dimensões corretas.
Mas foram precisos cinco dias, C-I-N-C-O, para conseguir explicar que por muito que ele sonhe ter uma cama como as dos hotéis, nós não temos um quarto do tamanho de uma suite de hotel e a solução é adaptar a mobília, à dimensão do espaço que temos e ponto final.
Começo achar que o projeto rede-coiso da casa vai demorar muito mais tempo a concretizar do que tinha pensado. Não pela dificuldade da tarefa em si, mas pela dificuldade em chegar a consenso com o as ideias do homem.

Sem comentários:

Enviar um comentário