Páginas

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Sobre as birras

Tenho-me apercebido que não tenho estado a lidar bem com as birras do Francisco. Aliás, confesso que sempre achei que o meu filho não as ia fazer, que o conseguiria educar por forma a evitar que tal coisa acontecesse. Ora aqui está o meu primeiro erro: criar uma expectativa totalmente errada e irrealista. TODOS os putos fazem birras e o meu não é excepção.
Apercebi-me também ao ler este, este e este artigo que a principal dificuldade em lidar com as birras do Francisco estava precisamente nas falsas expectativas que criei e em eu não estar a saber lidar com a frustração dele não estar agir como eu queria, de não estar a conseguir aceitar as situações.
E por fim, ao ler estes artigos, ganhei confiança e acima de tudo percebi que não é mesmo com gritos e berros que se leva a água ao moinho.
Que nisto da educação não vale a pena entrar num jogo de forças, que o importante é olhar para o nosso filho, perceber as necessidades dele, os porquês dele e respeitá-lo, aceitá-lo. Responsabilizar e não humilhar ou maltratar. Brincar em vez de berrar. Rir em vez de stressar.
Pela experiência cá em casa já deu para perceber que com caras feias e berros a coisa não vai lá. Não vale a pena, não resulta, só torna o momento da refeição num inferno e faz com que o puto cada vez tenha menos vontade de comer e o objetivo é que ele goste de se sentar à mesa, que goste do momento da refeição e que retire prazer disso, aliás que todos retiremos.
Não é fácil no fim de um dia de trabalho, ter a calma e o discernimento necessário para me lembrar disto tudo, mas educar com amor passa muito por aqui e cada vez tenho mais certeza disso.
Olhar, observar e estar presente com todos os sentidos para os nossos filhos quando estamos com eles. Aceitá-los como são, respeitar a sua individualidade e tentar com todo o amor educar e não obrigar a ser isto ou aquilo, ou moldá-los aquilo que nós queremos.
Obrigada Mum’s the Boss pela partilha e pelos ensinamentos.

Imagem retirada do pinterest!

1 comentário:

  1. Eu não sabia o que eram birras até chegar aos 3 anos de vida da Inês. Ou melhor, ela fazia birras, sempre fez, como qualquer criança, mas quando chegou aos 3 comecei a desvalorizar todas as birras anteriores. É muito difícil teres sempre a atitude certa para lidares com os vários tipos de birras (aprendi com a Mum´s the Boss que há dois tipos de birras: as racionais e as irracionais), há alturas em que não sabemos o que fazer e partimos para o mais fácil ou que conhecemos, há outras alturas em que simplesmente não conseguimos. Ainda hoje, já ela tem quase 4 anos, eu não sei lidar com certas birras e pergunto-me sempre que raio de mãe serei eu.
    Na verdade, isto só mostra como nos preocupamos com eles e como queremos ser boas mães, certo? Só por isso estamos no caminho certo. E saber que não estamos sozinhas ajuda muito. Respira fundo e boa sorte :)

    ResponderEliminar