Páginas

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Sobre os dilemas do peso

Ora se uma pessoa engorda é porque engorda, se emagrece é porque emagrece. Basicamente há sempre alguém que tem algo a dizer. Sempre puxei para o rechonchudinha e por isso nunca percebia muito bem as pessoas magras que se incomodavam com comentários. Agora que perdi algum peso, percebo.
É a mãe, o pai, a sogra, o sogro, a tia, o tio, a colega, o colega, o cão e o gato. Toda a gente a tentar enfiar-te comida pela boca abaixo com o argumento de que “Ah, estás tão magra! (ler com ar pesaroso), “Ah, estás muito magra e tens um filho para criar!”
E depois? Magreza é sinonimo de doença e fraqueza? As pessoas magras não conseguem criar filhos? Lá porque se foi mãe é-se obrigada a ficar anafadinha e a ter de passar andar de leggins e túnicas?
Eu não considero que esteja magra, acho que estou bem, com o peso que sempre idealizei ter, portanto sinto-me ótima e estou bem de saúde, portanto quero aqui sossegar toda a gente que estou bem de saúde, que apesar de estar mais magra do que antes estou bem e em plenas condições físicas e emocionais de criar o meu filho e de trabalhar, ok?

Sem comentários:

Enviar um comentário