Páginas

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

A importância de dormir quando o bebé

Desculpem lá espetar-vos com mais um post sobre maternidade, mas afinal é isto que estou a viver agora e sobre este tema que vão surgindo assuntos para partilhar. 
Pois que já me tinham avisado da importância de ir aproveitando os bocadinhos que o rebento dorme, para eu dormir também e recuperar energias.
A maior parte dos dias tenho aproveitado principalmente para dormir quando ele dorme de noite (temos tido a sorte dele até fazer boas noites) e às vezes aproveitar para um pequeno cochilo antes de jantar, mas ontem decidi que tinha muito para fazer e o melhor era levantar o rabo da cama depois da mamada das 6 da manhã. Tinha roupa para estender, lavar, leitura para por em dia e decidi começar a fazer isso logo de madrugada. Claro que depois do almoço estava completamente estoirada, cheia de sono, a querer por tudo esconder uma orelha nem que fossem 10 minutinhos. Desejei com toda a força do meu ser que o pequeno também quisesse dormir uma sestinha, mas as cólicas pregaram-nos uma partida e nem ele, nem eu dormimos. À medida que a tarde ia passando, o meu cansaço ia aumentando, no mesmo nível que a minha paciência e calma diminuíam. Liguei para o marido (normalmente ele consegue sempre dizer uma piada qualquer que me tranquiliza), mas não atendeu. Dei por mim sozinha, com o miúdo a chorar de dores e eu sem saber o que fazer para o acalmar. Desejei que se calasse, que dormisse, que eu não aguentava mais. Tentei a chucha, a mama, as massagens, o virar de barriga para baixo, o embalo, mas nada parecia atenuar as dores do pequeno. E às tantas estávamos os dois a chorar cada um para seu lado, com as suas dores.
Na minha cabeça passaram pensamentos como: nunca mais vou ter autonomia para fazer nada na minha vida; pareço um mal trapilho com bolsado por todo o lado; será que algum dia vou fazer mais alguma coisa além de dar mama, mudar fraldas e limpar bolsado?
Felizmente à hora de jantar já tínhamos o pai em casa, comemos sushi ao jantar e era meia noite tudo acalmou e dormimos os três.
Acordei duas vezes durante a noite para dar de mamar, mas felizmente o pequeno alarve dormiu bem e eu consegui dormir também quase até às 10 da manhã.
A verdade é que hoje, de sonos repostos e energias restabelecidas todos os pensamentos e desespero de ontem parecem não ter sentido, afinal não foi uma tarde assim tão dura eu é que não tinha descansado o suficiente para estar preparada para a enfrentar. E uma coisa vos digo, não volto a cometer a proeza de madrugar só para tratar de roupa ou qualquer outra tarefa que não seja tratar do meu filhote, porque é mesmo muito importante uma mãe dormir o máximo que conseguir. Só assim consegue ter energia, calma, equilíbrio e discernimento suficientes para esta função que é ser mãe a tempo inteiro.

Sem comentários:

Enviar um comentário