Páginas

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Ginasticar ou não ginasticar

Nunca fui uma menina muito dada ao desporto, para além de não ter jeito nenhum, sou um bocadinho para a molengona no que toca a malhar.

Agora a empresa na qual trabalho tem um excelente protocolo com uma cadeia de ginásios sobejamente conhecida, estou tentada a inscrever-me.

Mas antes de tomar uma atitude precipitada e ficar vinculada a um contrato apenas porque no outro dia olhei para mim ao espelho e só vi celulite (o eterno drama das mulheres e poderia estar para aqui uma hora a divagar sobre o tema…) decidi aproveitar um voucher de 15 dias, à experiência. E em 15 dias, apenas lá coloquei os pés 2 vezes…

O que aumenta ainda mais o meu dilema, se por um lado sei que preciso de fazer algo por mim, não só pela celulite que cada vez mais se acumula nas minhas pernas e rabo, mas também porque estou a chegar aos 30 e faz bem à saúde e à mente exercitar o esqueleto.

Agora daí a inscrever-me, ui… vai uma longa distância, até porque não tenho muita paciência para gente histérica aos gritos e com sorriso na cara por estar a transpirar.

Quando estava em sofrimento numa aula de localizada, só pensava: “Não fiz mal a ninguém para merecer isto. Quem é aquele filho da mãe para me dizer “Força! Vá só mais 8, 7, 6… abdominais. Vá insiste!”?! Ele que enfie os abdominais num sítio que eu cá sei e que vá gritar para casa dele!” E depois ainda vou ter de pagar para levar com isto?! Tudo em prol de umas pernas e rabo de sonho?! Não sei…

2 comentários:

  1. Só custa ganhar o ritmo, os primeiros dias, talvez as primeiras duas semanas.
    Bom, é ao fim de 4 ou 5 treinos o que sentimos. Mais energia, boa disposição etc.
    Como quase tudo, só custa começar, força! Eu vou fazer o mesmo!
    Hugo Mendes

    ResponderEliminar
  2. Querido Hugo, um dia vou começar a ginasticar, hoje é o dia! Obrigada pelo incentivo! Um grande beijinho

    ResponderEliminar